O que é Navegação Baseada em Performance (PBN)?


PBN aumenta a eficácia das rotas aéreas.

A Navegação Baseada em Performance (ou PBN, do inglês Performance-Based Navigation) redesenha e otimiza a estrutura dos trajetos de navegação aérea.

Se antes as rotas se restringiam aos trajetos delimitados por auxílios instalados no solo, com o procedimento amplia-se o número de alternativas, uma vez que o recurso viabiliza procedimentos de navegação orientados também por satélites e sistemas avançados de gestão de voo e bordo inercial.

Desse modo, as aerovias passarão, progressivamente, por uma grande reformulação. Acostumada a voar de forma angular, a aeronave poderá navegar de forma mais linear. As rotas considerarão a navegação ponto a ponto e não a interceptação de radiais e magnéticas.

Com rotas mais precisas e distâncias encurtadas, por sua vez, o PBN viabiliza uma redução significativa no gastos com combustível, na emissão de gases poluentes e mesmo nos ruídos das aeronaves, uma vez que estas se aproximam para pouso em descida contínua e velocidade mais regular.

A implementação do PBN no País, consolidará novos padrões de navegação, além de transformar o espaço aéreo nacional, gerindo com mais eficácia a crescente demanda de tráfego aéreo no Brasil.

Em 2010, o DECEA implementou as operações PBN nas terminais aéreas de Brasília e Recife. Desde então, aeronaves habilitadas vem, progressivamente, experimentando os benefícios do procedimento nas chegadas e partidas dessas localidades.

Em 12 de dezembro de 2013, o PBN desembarca nas duas maiores terminais aéreas da América do Sul: TMA São Paulo e TMA Rio de Janeiro para proporcionar um aproveitamento do espaço aéreo nessas regiões extremamente significativo.

Ao viabilizar à aeronave uma descida mais contínua e estabilizada nessas terminais aéreas, o PBN permitirá a redução de tempo de voo nas aproximações, gerando economia de combustível e, em consequência, redução das emissões de gases nocivos ao meio ambiente.

Do mesmo modo, o PBN torna exeqüível a utilização de mais rotas no mesmo espaço, com menores separações, gerando um aumento significativo de capacidade o que agiliza pousos e decolagens. Fenômenos que também começarão a ser observados nas próximas terminais aéreas onde o PBN for implementado.

Confira os novos procedimentos no AISWEB.

Principais Benefícios

Menos Tempo

Com o PBN,  aeronave voa em rotas mais lineares que consideram as trajetórias ponto a ponto, encurtando-se as distâncias e o tempo de voo. Como exemplo, o percurso entre São Paulo (Congonhas) e Brasília, normalmente de 1h 30 min, terá redução potencial de 11 minutos. Já de Brasília ao Rio de Janeiro, a redução potencial será de até 7 minutos.

Menos ruído

 Na aproximação para pouso convencional, a aeronave reduz sua altitude descendo em degraus (de 7 a 5 mil metros, depois de 5 a 3 mil, para exemplificar) o que gera um aumento de ruído a cada aceleração para nivelamento de altitude. O PBN viabiliza uma descida contínua, com velocidade constante, o que gera uma redução substancial no nível de ruído nos arredores dos aeroportos.

Menor Custo

Trajetórias mais lineares e precisas não só diminuem as distâncias na fase de voo em rota, com também as variações de velocidade nas aproximações. O resultado é a economia de combustível, que representa 43% do custo das companhias aéreas. Segundo estimativas de uma cia aérea brasileira, R$ 178 milhões serão economizados no gasto de combustível em 5 anos.

Menor emissão de CO2

No PBN, as aeronaves voam confinadas dentro de uma espécie de tubo virtual ao longo de seu trajeto. As rotas são  mais precisas e flexíveis, com velocidades mais constantes o que reduz as emissões de CO2. Segundo estimativas da IATA (International Air Transport Association), as rotas PBN podem reduzir a emissão de CO2 em até 13 milhões de toneladas por ano no mundo.
 

e mais...

Os Controladores de Tráfego Aéreo serão, sempre, os protagonistas dessa vitória. É de suas mãos - e vozes - que a operação PBN é viabilizada aos pilotos. Os Controladores são hoje a síntese simbólica de um novo paradigma, que inaugura um voo mais sustentável, mais econômico, mais rápido e muito mais preciso.

Com o PBN as viagens ficam mais Rápidas.